segunda-feira, 28 de dezembro de 2009

EDITANDO TEXTO


Aguarde matéria sobre a confraternização. Por enquanto, saiba quem é Josi (ao lado de Márcia), a sortuda da bike. O APS agradece aos patrocinadores e parceiros Alô Cestas e Buquês, By Bike, Fotografia Roberta Tavares, L&M Yacult, Plural Consultoria, Piquet Blindagens e Revista Perto de Casa.

quarta-feira, 23 de dezembro de 2009

DOMINGO DE OPÇÕES

Diversidade se faz presente no APS

O próximo domingo, 27 de dezembro, é dia de contar as opções e participar de todas elas. A programação é um presente que Papai
Noel mandou pra você através do APS. Veja só, o dia começa logo com o sorteio da bike de 18 marchas, ali na concentração habitual, entrada pelo portão da Rua do Futuro. Chegue cedo pra acompanhar tudo de perto e vibrar com a sorte grande. Quem sabe você é o ganhador? Vai ser fotografado e aparecer nas páginas de informativos virtuais. Depois disso, como se não bastasse, lá vem o passeio. Curto, livre, leve e solto só pra garantir a queima das calorias que você vai ganhar à tarde, durante a confraternizaação. A pedalada vai até Olinda, mais especificamente até a Praça do Carmo, onde foi montado um presépio gigante com 77 figuras. Leve câmera fotográfica ou filmadora. Vale a pena registrar as figuras, algumas com mais de seis metros, instaladas na escadaria da Igreja Carmelita. O conjunto impressiona e desperta a curiosidade de moradores e visitantes. O presépio gigante é passagem obrigatória neste Natal. (Foto de Passarinho/Prefeitura de Olinda)

As peças são talhadas em blocos de isopor, cobertos por papel, resina, fibra de vidro, poliuretano, massa corrida, tinta e verniz. O material utilizado garante uma resistência contra sol, chuva e vento. O presépio é um projeto antigo do cenógrafo Fernando Augusto Gonçalves, só agora levado adiante pela Prefeitura de Olinda. O grupo Mamulengo Só-Riso trabalhou com 42 pessoas, levando cinco meses para as figuras ficarem prontas. O tempo e o esforço valeram a pena e o presépio é o maior do País. A tradicional representação natalina está garantida com as figuras de José, Maria e o Menino Jesus na manjedoura. Os reis magos - o árabe Baltazar, o indiano Belchior e o etíope Gaspar, que presentearam Jesus com incenso, ouro e mirra (óleo aromaterapêutico) compõem a cena com pastores, camponesas e animais. Se quiser voltar à noite, você vai testemunhar o destaque das cores e formas das esculturas. São 160 refletores. Desta vez, Olinda botou pra arrebentar a boca do balão. "Tá" lindo, gente.

Mas a programação não termina por aí. De volta ao Parque da Jaqueira, mais ou menos às 11h, você tem duas opções - vai direto à confra ou vai pra casa tomar banho, trocar de roupa e se perfumar. Bem, nem todo mundo vai à festa, alguns preferiram assim. Agora, pra quem vai participar do encerramento do ano APS 2009, o encontro vai ser regado a muita comida regional, bebida pra quem bebe, água e refri pra quem não bebe, som distribuído em ritmos diversos, sorteio de brindes oferecidos pelos patrocinadores, presente secreto (opcional, com presente embrulhado), quebra-panela, exposição de fotos e o grande, o sensacional, o maravilhoso, o imbatível, o mais esperado do ano, o mais mais, o tradicional concurso de pernas masculinas do APS, categorias Beleza da Natureza, Olívia Palito, Toni Ramos e Café com Leite. O local é o bar e restaurante Boca da Mata, entrada mata de Dois Irmãos, ao lado do Talude, na BR 101, logo ali pertinho da integração da Macaxeira. Veja mapa ao lado, faixa verde, à esquerda. Sim..., já ia esquecendo, nessa foto aí o concorrente está treinando equilíbrio na passarela (risssssssss).

domingo, 20 de dezembro de 2009

CHAVE DE OURO

APS radicalizou total

A trilha nas terras do antigo engenho São João, na Várzea, mais conhecidas como matas de Brennand, fechou com chave de ouro as atividades 2009 do APS. O grupo saiu do Parque da Jaqueira, às 7h, com 67 ciclistas. Embora tenha
havido desistências no meio caminho, houve também adesão de novos companheiros, permanecendo praticamente a mesma quantidade de participantes. O percurso de 33km levou o grupo por todo tipo de dificuldades - mata fechada, alagados, pinguelas, íngremes ladeiras de barro, troncos, fendas, raízes, mas muita, muitamuuuuuuuuuita diversão. Reclamações de brincadeirinha alegravam os ciclistas que, praticamente, só pedalaram nas terras de Cornélio Brennand, onde fica a Companhia Industrial de Vidro. Utilizando uma pequena balsa pelo Capibaribe, para atingir a propriedade de outro membro da família, o artista plástico Francisco Brennand, o grupo teve que literalmente carregar ou empurrar a bicicleta até o campo de pelada localizado na UR 7. Apesar da grande quantidade de baronesa, a travessia na pequena balsa foi mais rápido do que se esperava. Um breve ensaio de chuva nem chegou a atrapalhar, muito pelo contrário poderia ter amenizado o calor intenso.
De tênis novos e brancos, Márcia II ameaçava "matar" o guia; de sapatilhas de encaixe no pedal, Marcílio acreditava piamente que havia trocado de grupo. Segundo ele, estaria no A.D.O - Amigos da Onça (risssssssss). Foram duas horas e vinte minutos dentro da mata. A compensação veio em forma de olho d`água, uma água mineral, cristalina e geladinha que serve às comunidades próximas à saída das terras. Alguns nem acreditaram que depois de enfrentar tantos trechos de água estagnada e poluída, teriam pela frente e ao alcance das mãos aquela riqueza. Outros, não, caíram de cheio, encheram as garrafinhas, molharam o corpo e tiveram a certeza de que sairiam dali renovados para enfrentar a última subiiiiiiiiiiiida. O que ninguém acreditou, apesar de orientado pelo guia, era o quão íngreme pode ser uma ladeira de barro, tortuosa, cheia de cotovelos e com apenas uma opção, a de empurrar a bike em fila indiana. Mas aí já era hora da segunda e última compensação do passeio. O bar e restaurante de João Gago esperava pelo grupo com as mais diversas opções de comida. Não era bem o que a coordenação havia combinado com o proprietário, no dia anterior, que houvesse uma grande quantidade de líquido em estoque. Esfomeado, sedento, corpo quente, o grupo não se fez de rogado. Entrou de cabeça (ou seria "de boca"?) na cabidela, no sarapatel, na fava e no líquido de todas as cores e sabores. O blog, que tem o bom senso de não postar fotos de ciclistas ao lado da "lourinha suada", abriu a guarda desta vez e deixou passar. Afinal, pra quem gosta, era um merecido prêmio depois de tanto esforço. Mas a água e o refri também fizeram parte do brinde. Foi tão bom que o grupo nem se estressou com o trânsito na volta, em frente à Universidade Rural.


ATENÇÃO:
1 - O APS vai entrar em recesso durante o mês de janeiro. Geralmente, para não parar, alguns ciclistas se comunicam pelo blog e/ou telefone para pedalar por aí. Nesses passeios, não há compromisso da coordenação, com percursos organizados, embora a coordenação também possa aderir à programação extraoficial.

2 - O APS vai fazer um passeio curto, livre, leve e solto no próximo domingo, dia 27. O sorteio da bicicleta será no Parque da Jaqueira, antes da saída da pedalada, às 8h. A confraternização começa às 12h, no Boca da Mata. Peça sua senha a Márcia.

quinta-feira, 17 de dezembro de 2009

BRENNAND RADICAL



Passeio desvenda terras de engenho

As quatro trilhas, realizadas anteriormente pelo APS nas
terras do Engenho São João, serão reunidas neste domingo, dia 20 de dezembro, num só passeio. Será anexado um novo trecho, cujo reconhecimento foi feito pela coordenação nessa quarta-feira passada, com dois guias locais. O passeio, embora chamado de longo, terá apenas 25km, mas será de muitas e muitas dificuldades, portanto, desaconselhado para pessoas sem condicionamento. Sem acesso a carro de apoio, o ciclista vai enfrentar áreas alagadas, onde a bike vai servir de "muleta" para travessia de pinguela; subidas íngremes; mata fechada, com obstáculos de troncos e raízes, sem possibilidade de pedalar, a bike será carregada. As terras do Engenho São João, na Várzea, são mais conhecidas como Matas de Brennand. O passeio sai às 7h do Parque da Jaqueira e a volta está prevista para as 13h.

Durante o percurso, você vai ter a oportunidade de praticar o silêncio, a paciência e a solidariedade. O silêncio é fundamental na mata. Não buzine, não fale alto, não seja estridente, respire a natureza, ouça o canto dos pássaros e respeite os animais. Passe tranquilo pela criação experimental de búfalos e não se aproxime da cerca. Algumas fêmeas estão grávidas. Nada de brincadeiras se, por acaso, encontrar um "bichinho bonitinho", como uma capivara, correndo pelas matas. É a melhor defesa, afinal você está na casa dos outros. A paciência também é fundamental, sobretudo nos pontos de passagem difícil e demorada. Nada de pensar que seu amigo é lento e que você é forte e ágil como um leão. Paciência também na pequena travessia de balsa. É uma travessia curta, das terras de Cornélio Brennand às de Francisco Brennand, mas dependendo do número de ciclistas o tempo pode ser maior do que o previsto. Leve algumas moedas (entre 50 centavos a um real) para o balseiro. Será uma troca de agrado de ambas as partes, pois ele não tem a função de atravessar pessoas que não pertencem ao Engenho São João. Se você percebeu, a prática da solidariedade já está incluída no silêncio, na paciência e na ajuda que um ciclista deve prestar ao outro na travessia de obstáculos.

Atenção às recomendações do guia e do setor de segurança da área - pelo amor de Deus, gente, a câmara reserva não pode faltar; use capacete e luvas; evite tocar e cheirar plantas e flores; esteja com braços e pernas cobertos; use calçado fechado; evite qualquer edificação desabitada, onde se escondem abelhas e insetos; muito cuidado na descida asfaltada; mantenha-se atento, mas não se esqueça de curtir a natureza; respeite a limitação do amigo, aliás não ultrapasse seu próprio limite; leve líquido, parece contradição, mas o calor na mata é intenso. O domingo será de aventura e tudo pode correr tranquilo com a sua ajuda. Esteja bem e em condições de apreciar a fonte de água cristalina que o APS vai encontrar no caminho.Curta antecipadamente um pouco do local. Veja as fotos no slideshow ao lado, faixa verde.


OBS
: se você acha que não tem condição de encarar o passeio do APS, neste domingo,não fique parado. Para encerrar a campanha CorujAmiga, o Corujaqueira vai realizar pedalada curta pelas ruas da cidade. Concentração às 8h, por trás da igrejinha da Jaqueira, e saída às 9h. Doe um quilo de alimento não perecível e participe do sorteio de brindes.

domingo, 13 de dezembro de 2009

TRILHA DAS PONTES

Bikes invadem capital das pontes

A turma se esbaldou nesse domingo, dia 13 de dezembro. Nem tanto pelas pontes, embora o passeio tenha transcorrido numa boa, durante seu 25km urbanos, mas pela parada programada no Mercado da Boa Vista, que muita gente ainda não conhecia. Gente, era muita banana na boca do povo, água de coco, suquinho de abacaxi e caju. Imagine um descanso pra recifense nenhum botar defeito. Uma parcela ficou no lado light, outra partiu pra umas guloseimas natalinas que olhe, só, tinha todo um espetáculo na preparação do prato (foto abaixo). Um show à parte pra quem ficou ali, boquiaberto com a agilidade com que o proprietário do boxe misturava os vários ingredientes, incluindo as ervas. O grupo estava animado pra valer, posando para as fotos, conversando e saudavelmente se divertindo. O APS saiu da Jaqueira com quinze minutos de atraso, tudo por conta da fila de interessados em comprar o ingresso da confraternização. Sozinha, Márcia teve que pedir ajuda a Totô e Ruth pra que todos fossem bem atendidos. Deu tudo certo e o grupo saiu pelo lado de Campo Grande e Santo Amaro até atingir a primeira ponte, do Limoeiro, onde dividiu espaço com maratonistas e ciclistas em competição. Seguindo-se vieram as pontes Maurício de Nassau, Buarque de Macedo, Doze de Setembro (a famosa Giratória que não gira mais) e a Seis de Março, mais conhecida como Ponte Velha ou ainda Antiga Ponte Velha. Foi aí que o Mercado da Boa Vista entrou em cena e onde houve troca do primeiro pneu furado.



O percurso previa mais cinco pontes: Boa Vista, Duarte Coelho, Santa Izabel, Estácio Coimbra (Derby) e Barreto Campello (Torre). Passando pelas três primeiras, o APS pode perceber que que a cidade estava em festa. Comércio aberto, muita gente e trânsito congestionado sobretudo na Conde da Boa Vista, onde o cuidado teve que ser redobrado. No início da ponte do Derby, o segundo e último imprevisto, mais um pneu furado. O trânsito ali também estava confuso, o que levou o APS a uma parada na Beira Rio, para reagrupar o pessoal. Grupo reunido, os ciclistas cruzaram a última ponte do roteiro, na Torre, enfrentando um novo congestionamento na Avenida Rosa e Silva. O motivo, no entanto, não era a quantidade de veículos, mas serviço de tubulação, bem próximo ao Parque da Jaqueira. A obra custou a paciência de alguns motoristas que, irritados, buzinavam estridentemente como se buzina adiantasse alguma coisa, nessas horas. A chegada à Jaqueira ocasionou um inesperado encontro com o jornalista e escritor Raimundo Carrero. Acompanhado da esposa, o premiado contista e romancista atendeu ao pedido de Márcia e deixou-se fotografar com parte do APS (foto abaixo, Carrero de branco). Nascido em Salgueiro, em 1947, o autor de 17 livros, incluindo As Sombrias Ruínas da Alma, faz aniversário no próximo dia 20.

terça-feira, 8 de dezembro de 2009

RECIFE DAS PONTES

APS realiza passeio turístico

As pontes do Recife já tiveram seu lado romântico. Hoje, bem mais funcionais, estão espalhadas por todos os lados e bairros. Cantadas em prosa e verso, um dia, já não mais inspiram poetas. No entanto, guardam história e beleza. Uma história sufocada pelo passar do tempo e uma beleza escondida na falta de conservação, fatores que transformam as pontes em obras comuns. Neste próximo domingo, dia 13 de dezembro, tente esquecer o que lhe parece uma característica banal - a de apenas ligar um lado a outro. Observe-as com carinho e reconheça a importância que têm na vida da cidade, permitindo o livre trânsito de veículos e pedestres, eliminando distâncias, facilitando o comércio. Com um olhar mais atento, também dá pra perceber que a contradição está presente em todas, a dualidade do feio, do belo; do rico, do pobre; do artístico, do indígno. São muitos os seus aspectos, inclusive o de servirem de moradia a quem não tem onde ficar. Num de seus poemas, João Cabral de Melo Neto afirma "Conheço toda a gente que deságua nestes alagados. Não estão no alto de cais, vivem no nível de lama e água. Gente de olho perdido, olhando-me sempre passar como se eu fosse trem ou carro de viajar".

Entre modernas e tradicionais, 10 pontes estão inseridas no roteiro ciclístico de domingo. Construída sobre o Rio Beberibe, a Ponte do Limoeiro já foi de metal e servia a passagem de trens. Hoje, reconstruída em concreto, oferece uma das mais belas vistas de Recife. A Ponte Maurício de Nassau, por muito tempo, foi lembrada como a ponte do boi voador. É que para efeito de marketing de inauguração, em 1643, anunciaram que um boi ia voar. Muita gente correu pra ver. A verdade é que "era um boi de papel, cheio de palha, puxado por cordas de um lado a outro da ponte". Tem também a Buarque de Macedo, a mais extensa do Recife Antigo e que demorou mais de 10 anos pra ser concluída. A Giratória está no roteiro, sim. Só que a função de girar para atender as necessidades das embarcações já não existe mais. E, embora ainda chamada de Giratória, o nome correto é 12 de Setembro. E a Seis de Março? Garanto que você só a conhece como Ponte Velha. Acertei? E que linda que é com aqueles lampiões e postes de ferro fundido! Muito conhecida é a Ponte da Boa Vista, estrutura em ferro, liga as tradicionais ruas Nova e Imperatriz. Agora, diga, entre os da faixa dos 50 anos, quem nunca paquerou ali? Também estão no roteiro a Duarte Coelho (outrora metálica e plana, conhecida pelos carnavalescos como ponte do Galo), a Santa Izabel (que já foi de ferro e passou por duas reformas) e as dos bairros do Derby e Torre, respectivamente, Estácio Coimbra e Professor Barreto Campelo.


Obs: Foto do site panoramio.com, pesquisa em sites da internet e no livro Trilhas do Recife, de João Braga. Ah, veja só que interessante: o blog Daniel Bueno afirma que defronte à Ponte Giratória existia um aeroporto. Chamava-se Aeroporto de Santa Rita e era lá onde pousavam os hidroaviões, lá pelos idos de 1920. Mas o chique na época era viajar de navio. Oxente!

domingo, 6 de dezembro de 2009

CAFÉ DA MANHÃ

APS faz doação de brinquedos

Do bolo ao munguzá, do espetinho de fruta ao amendoim, do suco à água. Foi com esse recheado café da manhã que Sandra Euzébia (foto acima, de branco) recebeu 77 ciclistas do APS, nesse domingo, dia 06 de dezembro, na pedalada da solidariedade. O grupo levou brinquedos que serão entregues aos alunos da Escola Municipal Jardim Mauriceia. A unidade educacional atende 235 crianças carentes, das redondezas da Imbiribeira, como Ilha de Deus e Sítio Grande. A anfitriã estava acompanhada de Tatiana (foto acima, de amarelo) representante da escola. Na parede, próximo ao café da manhã, um cartaz de boas vindas traduzia o espírito de agradecimento e solidariedade que envolve àqueles que se prestam a causas sociais. Sempre simpática e animada, Sandra se mostrava feliz com a presença de amigos que conheceu no ciclismo. Afastada das pedaladas por motivos de saúde, aguarda com expectativa a hora de retomar o convívio APSiano. Que seja muito bem voltada.


O café da manhã veio em boa hora, ainda mais se contabilizado aos banhos de piscina e chuveirão, liberados pela dona da casa para alegria de muito ciclista. O pessoal não perdeu a oportunidade e mergulhou fundo. Foi nessa ocasião que os flashes pipocaram. Era hora de fotografar alguns pares mais ousados de pernas masculinas que vão concorrer nas categorias Beleza da Natureza, Olívia Palito, Toni Ramos e Café com Leite, durante a confraternização natalina no dia 27 de dezembro. O júri feminino deve observar com calma e antecedência para não haver dúvidas no dia da festa. Trata-se de um tradiconal concurso, sério (rissss), com desfile e troféu, que dará ao vencedor o direito de representar o APS em todos os aventos do próximo ano.

A pedalada desse domingo começou às 8h. O grupo saiu de um Parque da Jaqueira decorado em original estilo natalino: Papai Noel segurando uma pernambucana sombrinha de frevo. O percurso contemplou a ponte de pedestres do Parque da Santana que dá acesso à Torre, San Martim, Ipsep, Imbiribeira, contornou a Lagoa do Araçá e chegou à casa de Sandra, em frente ao rio Tejipió. Afogados, Madalena, Aflitos e Jaqueira, de volta, completaram 28km percorridos. Nada de queda, só um pneu furado, novatos como Oto, Bruno I, Bruno II, João e aquele de quem o blog esqueceu o nome. Ah, depois de muito tempo ausente, trabalhando fora do Recife, o solteiro mais cobiçado do APS, deu o ar da graça. Se estiver por aqui na confraternização, vai ser um forte concorrente de pernas. O nome? Herick. Moças, mantenham-se de olho esperto.

quarta-feira, 2 de dezembro de 2009

JARDIM MAURÍCIO

Passeio tem objetivo solidário

A pedalada do próximo domingo, dia 06 de dezembro, tem objetivo de solidariedade. Leve um brinquedo, de preferência unissex, para doação às crianças da Escola Municipal Jardim Maurício, Imbiribeira. Próxima à Lagoa do Araçá, a escola atende 235 meninos e meninas carentes da Ilha de Deus, Sítio Grande e redondezas. Algumas moram em palafitas. A entrega será feita à ciclista Sandra Euzébia (foto abaixo), que repassará os donativos à direção da unidade escolar. Os brinquedos chegarão às mãos das crianças nos dias 22 e 23 de dezembro, durante o encerramento do ano letivo. O passeio de domingo é totalmente urbano, estimativa de 25km, saída do Parque da Jaqueira às 8h, com previsão de volta às 11h30.



A parada programada é na casa de Sandra, que oferecerá um delicioso suco de frutas ao ciclista APS. Esteja preparado para um banho de chuveirão para amenizar o calor do corpo e esfriar os miolos da cabeça. Aproveite e observe peculiaridades da residência de Sandra - as imagens (foto ao lado) naturalmente estampadas no piso da área comum, a pequena horta cultivada pela dona da casa, as tocas de gaiamum pela proximidade com o rio Tejipió e as árvores frutíferas. As árvores e as frutas, gente, são só para admirar, hein? (risssss).

Anualmente, o APS participa de campanhas solidárias. Uma comunidade carente em Casa Amarela, um centro espírita, um abrigo feminino de jovens sem famíia e prontas à adoção ou apadrinhamento foram algumas das instituições beneficiadas. Este ano, por sugestão de Sandra Euzébia, a escolha recaiu sobre a escola Jardim Maurício. Por uma questão de comodidade, é bom lembrar que os brinquedos não devem ser grandes, mas de tamanho conveniente para que o ciclista possa levar durante a pedalada. Se você não puder pedalar, mas quiser contribuir, leve o presente ao Parque da Jaqueira, no horário de concentração.

domingo, 29 de novembro de 2009

DE CAETÉS A GERALDO DOIDO

Ciclistas enfrentam trânsito difícil

Recife, Paulista, Camaragibe, Recife foi o trajeto do APS nesse domingo, 29 de novembro. Último domingo do mês, o grupo cumpriu mais um passeio longo mensal. Com 72 ciclistas, o percurso de 65km teve ladeiras, PEs, Br, viadutos e terreno acidentado. O mais difícil, no entanto, foi o trânsito entre Caetés I e Aldeia. Cinco quebras (uma logo no início), duas quedas e atenção redobrada no const
ante movimento de bikes, motos e veículos, que voltavam das festividades em São Severino dos Ramos. Mas o passeio estava mesmo destinado ao êxito e o grupo se manteve firme na expectativa de descer a ladeira Geraldo Doido, à altura do KM 6 de Aldeia, já no caminho de volta. O sol forte foi amenizado pela Mata de Caetés, embora a poeira corresse solta, proveniente da alta velocidade dos motoclistas. A estrada que liga Caetés I ao km 14 de Aldeia é muito bonita. Corta parte dos 157 ha da Estação Ecológica de Caetés e dispõe de significativos exemplares da flora e fauna da Floresta Atlântica na região. A reserva estava destinada a ser aterro sanitário, mas aliada a instituições ambientalistas a comunidade conseguiu embargar a obra em 1980.

Outra emoção pr
evista no passeio foi descer a Ladeira Geraldo Doido. Foi o sentido inverso do passeio realizado no mês passado, quando o grupo subiu aquela íngreme estrada de barro, cheia de fendas e surpresas que podem provocar uma queda desagradável. Graças a Deus, ninguém caiu. Os ciclistas tomaram os cuidados necessários e todos desceram bem. Houve aquela menina, "né", que deu e levou o maior susto ao soltar os freios, mas felizmente foi contida por um grito de "entra à direita". À direita era uma subida e, assim, a moça perdeu velocidade e conseguiu segurar a barra. Ou melhor, se manter na bike. Dos males, o susto foi o melhor. Das cinco quebras contabilizadas durante todo o trajeto, duas merecem ser contadas. A de Enok foi logo no início e ele teve que voltar pra casa. O grupo pensou que ele havia perdido o passeio, mas qual não foi a surpresa quando Enok surgiu em Aldeia, de carro e transbike, e fez o resto do percurso como apoio. Apoio providencial e em tempo de dar carona a uma ciclista cansada. O segundo registro veio de Gilson. Pedal quebradíssimo, o moço pedalou por um bom tempo feito saci, só com uma perna. Mas tá, meio a contragosto, foi empurrado pelos "quadrigêmeos" (esta é uma loooooonga história - rissssss), até que encontrou uma oficina e consertou o pedal. No episódio, perdeu Geraldo Doido. Fica pra próxima. As pernas das fotos estão compulsoriamente inscritas no concurso masculino. Tudo bem, essas aí estão cobertas. Mas olha só as lá de cima (risssssss).

quarta-feira, 25 de novembro de 2009

GERALDO DOIDO

APS faz sentido inverso

Quem subiu a Ladeira Geraldo Doido (Recife) agora vai ter a oportunidade de descer. O sentido inverso vai ser feito domingo próximo, dia 29 de novembro. É um passeio longo, cerca de 65km, com quatro ladeiras, dois viadutos, trechos de BR, duas PEs e 24km sem pavimentação.
Descer Geraldo Doido não é o único objetivo do passeio, mas também passar por Caetés I, onde existem resquícios de Mata Atlântica. A pedalada é totalmente desaconselhada a pessoas sem condicionamento físico. O horário de saída é às 7h, do Parque da Jaqueira; 13 horas é a previsão de chegada.

O APS alerta para a necessidade de revisão da bike, o uso de capacete e luvas, além da importância de o ciclista levar uma câmara de ar compatível com a respectiva bicicleta.
Leve líquido e, se tiver, ferramentas e bomba de ar para pneu. Alguns trechos são desprovidos de ponto de apoio. O reconhecimento do percurso (veja fotos no slideshow) foi feito nessa quarta, dia 25 de novembro, quando a coordenação contabilizou a passagem em, pelo menos, 15 bairros entre Recife, Paulista e Camaragibe. Vai ser uma aventura e tanto. Mas não esqueça que, para ser melhor, deve ser concluída com êxito. Portanto, não se descuide e seja um ciclista responsável. Já revisou a bike?

domingo, 22 de novembro de 2009

Passeio reúne história e beleza

Mais uma vez organizado pelo APS, o IV Passeio Ciclístico da Escola Estadual Regueira Costa reuniu alunos do primeiro e segundo graus, com idades que variavam entre 11 e 30 anos. Realizado anualmente, o evento faz parte do programa de atividade interdisciplinar daquela unidade de ensino público. Sob a responsabilidade das professoras Márcia Cunha (História da Arte) e Mônica Vloccowick (Educação Física), os alunos visitaram o Palácio do Governo do Estado. O APS saiu do Parque da Jaqueira às 8h e seguiu por Casa Forte, Apipucos, Macaxeira, Casa Amarela e Rosarinho, onde os estudantes aguardavam. Juntos, seguiram pela Avenida Norte, Ponte do Limoeiro, Prefeitura do Recife, Ponte Maurício de Nassau, Avenida Martins de Barros e Praça da República, onde se localiza o complexo arquitetônico, formado pelo Teatro Santa Izabel, Palácio da Justiça e Palácio do Governo, histórico e poeticamente conhecido como Campo das Princesas.
Durante o trajeto, o encontro com outros grupos que também se exercitavam em bikes e em competição de corrida.

Os alunos estavam animados, mas antes de conhecer o Palácio teriam que cumprir a formalidade de preencher ficha com nome e telefone. Na ocasião, alguns ciclistas do APS optaram por esticar a pedalada até Boa Viagem, onde estava programada uma apresentação da Esquadrilha da Fumaça. Ainda assim, permaneceu a maioria na expectativa de conhecer um dos mais belos recantos da história pernambucana. Repleto de turistas de outros estados, o Palácio do Governo contava com guias especialmente treinados para receber o público, mesmo que extrapolando a quantidade prevista de visitantes. Em relação ao APS e Regueira Costa, a solução foi dividir a turma em duas. Uma parte ficou com a guia Natália e a outra com Jeane, ambas do Cerimonial. O Palácio encantou olhares diante de tantos adornos, mobiliário eclético, vitrais, obras de arte, jardins internos e externos e parte posterior, na curva do Capibaribe, voltada para a Rua da Aurora.

Estado conhecido como Leão do Norte pela bravura de seu povo, Pernambuco é exaltado através dos vitrais do ar
tista alemão Henrique Moser, localizados no primeiro e segundo andares e que, respectivamente, representam a Revolução Pernambucana, em 1817, e a Proclamação da República, em 1889. Protegido por grades de ferro, o Palácio do Campo das Princesas está mesmo em local privilegiado. Edificado em três pavimentos, devido a períodos de reforma, só não foi possível conhecer o Gabinete do Governador, embora o APS tenha sido informado, em contato prévio, que o roteiro aos domingos é completo. Apesar da alteração, os salões das Bandeiras, das embaixatrizes, a galeria dos ex-governadores, as peças de arte, os espelhos e até as histórias de assombração (como em todo Palácio que se preza) fizeram do passeio um verdadeiro domingo cultural. Agora, meninos e meninas da Escola Regueira Costa, o negócio é tranformar a visita num bom motivo para boas notas.

A CTTU acompanhou o grupo por solicitação do Regueira Costa, ajudando bastante durante o trajeto. O percurso completo foi de 24km. Os dois grupos - Escola e APS - reuniram mais de 100 participantes. Foi permitido fotografar ambientes internos sem flash. Os visitantes não tinham permissão para fotografar a parte posterior do Palácio nem o corredor onde se localiza o gabinete do governador, por questões de segurança. Duzentos anos antes de ser construído em estilo neoclássico pelo Conde da Boa Vista, em 1841, o Palácio do Governo foi residência oficial do Conde Maurício de Nassau e era conhecido como Palácio de Friburgo ou Palácio das Torres. Quem perdeu a chance de conhecer o local com o APS ou quiser repetir a visita, pode agendar pelos telefones 3181.2260/ 3181.2156. Vale a pena.

terça-feira, 17 de novembro de 2009

A ESCOLA E O PALÁCIO

O APS tem compromisso duplo neste domingo

A Escola Regueira Costa e o Palácio do Campo das Princesas estão no roteiro do APS, neste próximo domingo. O grupo sai do Parque da Jaqueira, às 8h, em direção à Praça do Rosarinho, onde se encontram os jovens alunos da unidade de ensino estadual. Cicli
stas e estudantes seguem juntos até o Palácio do Governo do Estado. Este é o quarto passeio ciclístico que o APS realiza colaborando com as atividades de educação interdiscipinar da escola. Curto, embora recheado de atrativos, o programa de 22 de novembro reserva uma visita à residência oficial do governador do Estado. Mas nem se empolgue com a possibilidade de encontrar Eduardo Campos pelos corredores palacianos. Um guia, especialmente treinado para receber o público, é quem vai acompanhar o grupo durante o roteiro completo. Até o gabinete do governador você vai conhecer. E tem mais, vai se admirar com o rico e eclético mobiliário do Campo das Princesas e e maravilhar diante dos jardins projetados pelo paisagista Burle Max. Não se preocupe com o traje a usar. Vá de ciclista mesmo, a roupa é esportiva, só não valem roupa de banho e similares e esquecer o capacete e as luvas. Está tudo acertado e a bike tem lugar garantido.


Conhecer o Palácio do Campo das Princesas, local de privilegiada arquitetura e beleza, é uma viagem histórica, que começa por Maurício de Nassau. Ali, ele construiu o que chamou de Palácio de Friburgo, dotado de um jardim botânico-zoológico e do primeiro observatório astronômico da América, em 1642. A denominação de Campo das Princesas também é histórica. É uma homenagem às filhas do Imperador Dom Pedro II, que gostavam de brincar nos jardins do Palácio. Isso, mais de dois séculos depois da administração do conde holandês. O Palácio do Campo das Princesas, o mesmo que Palácio do Governo do Estado e, ainda, sede administrativa do Governo de Pernambuco, está aberto a visitação nas quintas e sextas, manhã e tarde, com agendamento prévio, para grupos de no máximo 25 pessoas. Também aos domingos, das 10h às 12h e das 14h às 16h. Durante a semana, o percurso é menor do que aos domingos, podendo passar por alterações devido aos eventos oficiais. Se tiver interesse em repetir a visita, telefone para 3181.2260 ou 3181.2156. IMPORTANTE - leve a carteira de identidade. A foto acima foi copiada do site www.areliquia.

A ESCOLA E O PALÁCIO

O APS tem compromisso duplo neste domingo

A Escola Regueira Costa e o Palácio do Campo das Princesas estão no roteiro do APS, neste próximo domingo. O grupo sai do Parque da Jaqueira, às 8h, em direção à Praça do Rosarinho, onde se encontram os jovens alunos da unidade de ensino estadual. Cicli
stas e estudantes seguem juntos até o Palácio do Governo do Estado. Este é o quarto passeio ciclístico que o APS realiza colaborando com as atividades de educação interdiscipinar da escola. Curto, embora recheado de atrativos, o programa de 15 de novembro reserva uma visita à residência oficial do governador do Estado. Mas nem se empolgue com a possibilidade de encontrar Eduardo Campos pelos corredores palacianos (rissss). Um guia, especialmente treinado para receber o público, é quem vai acompanhar o grupo durante o roteiro completo. Até o gabinete do governador você vai conhecer. E tem mais, vai se admirar com o rico e eclético mobiliário do Campo das Princesas e vai se maravilhar diante dos jardins projetados pelo paisagista Burle Max. Não se preocupe com o traje a usar. Vá de cilista mesmo. No domingo, a roupa é esportiva, só não valem roupa de banho e similares e esquecer o capacete e as luvas. A bike tem lugar garantido. Já está tudo acertado.


Conhecer o Palácio do Campo das Princesas, local de privilegiada arquitetura e beleza, é uma viagem histórica, que começa por Maurício de Nassau. Ali, ele construiu o que chamou de Palácio de Friburgo, dotado de um jardim botânico-zoológico e do primeiro observatório astronômico da América, em 1642. A denominação de Campo das Princesas também é histórica. É uma homenagem às filhas do Imperador Dom Pedro II, que gostavam de brincar nos jardins do Palácio. Isso, mais de dois séculos depois da administração do conde holandês. O Palácio do Campo das Princesas, o mesmo que Palácio do Governo do Estado e, ainda, sede administrativa do Governo de Pernambuco, está aberto a visitação nas quintas e sextas, manhã e tarde, com agendamento prévio, para grupos de no máximo 25 pessoas. Também aos domingos, das 10h às 12h e das 14h às 16h. Durante a semana, o percurso é menor do que aos domingos, podendo passar por alterações devido aos eventos oficiais. Se tiver interesse em repetir a visita, telefone para 3181.2260 ou 3181.2156. A foto acima foi copiada do site www.areliquia.

domingo, 15 de novembro de 2009

O SANTO DAS MISSÕES

APS recebe bênção

Oitenta ciclistas acompanharam o passeio de 35km, realizado pelo APS, nesse domingo 15 de novembro. O objetivo de conhecer o Santuário de Frei Damião, onde repousa o corpo do "Santo das Missões" coincidiu com as comemorações de aniversário de nascimento do capuchinho. Se fosse vivo, Frei Damião estaria com 111 anos. Filho de agricultores, Pio Giannetti nasceu na cidade italiana de Bozzanno no dia 5 de novemboro de 1898. Aos dez anos, já estudava em colégio para padre e, aos 16, ingressou na Ordem recebendo o nome de Damião. Em 1931, ele veio para o Brasil, onde dedicou 66 anos às missões no Nordeste, sobretudo em Pernambuco. Está enterrado na Capela de Nossa Senhora da Graça, no Convento de São Félix, no Pina. A vida dedicada à evangelização dos mais pobres rende-lhe a visita de milhares de fiéis nordestinos, principalmente nesta época do ano, data de aniversário. O santuário abre diariamente para missas e bênções das 8h às 12h e das 14h às 18h. Missionário com milagres a ele atribuídos, o frei está em processo de beatificação desde 2003. O APS participou da bênção na sala onde se encontra o túmulo e visitou o museu que abriga seus objetos. O acervo vai de fotos e livros até a poltrona onde descansou o corpo idoso e a cama do Hospital Português, onde morreu em 21 de maio de 1997.




No caminho de ida, o grupo testemunhou resquícios de um grave acidente de carro, na Domingos Ferreira. Ninguém soube o porquê, mas a visão do veículo entre muro e poste deixou a possibilidade de um motivo - álcool e direção não combinam. Do santuário, o ciclista se dirigiu à parada programada, em Boa Viagem. O APS não se intimidou com sol o forte, o calor e a sede. Água de coco pra uns, chuveirão pra outros e raspa-raspa ainda pra outros. Um mergulho no mar, por que não? E lá foi ela, faceira, acompanhada.....de olhares. Luciano, Chapolim, Edvaldo Poeta, Brekenfeld, Rafa e outros vivendo personagem único de "O Retorno". Um ponto para o saiote cinza e a bermuda branca ultrassexi de Dilma e Marcílio, respectivamente. Márcia e Roberta cada qual pedalando com uma rosa, oferecida no meio do caminho por Flávio Torres, aquele das cestas e buquês maravilhosos. Flávio não estava de bike, mas de carro, trabalhando, e gentilmente homenageou todas as mulheres do APS através de suas duas amigas. O passeio computou apenas uma quebra. Como sempre contando com a participação de novatos, o APS lhes dá as boas vindas.

domingo, 8 de novembro de 2009

MESTRE NADO

Ciclista comprova que barro tem som

O melodioso som produzido pelo Mestre Nado de Olinda compensou o esforço que 80 ciclistas tiveram que enfrentar para chegar ao Centro Cultural Som do Barro. Não que o percurso tenha sido longo, apenas 23km, nem que as ladeiras tenham tornado o passeio cansativo. Mas o congestionamento entre veículos e pedestres nas feiras livres dos bairros dificultava o fluxo. A melhora só aconteceu na Estrada de Passarinho, perto do local a ser visitado. Muitos novatos, ausência de alguns veteranos, participação de amigos de outros grupos. Crianças acompanhadas dos pais, iniciando a prática ciclística. Apenas uma queda computada, sem qualquer consequência.


Mestre Nado é um artista. Ceramista e músico autodidata, começou cedo a moldar peças de barro quando descobriu que poderia extrair som se fizesse um buraquinho naqueles trabalhos. Aprimorada a técnica, passou a criar instrumentos musciais inspirados na natureza. Alguns na forma de peixe, tartaruga e animais conhecidos, outros totalmente estranhos (foto acima) mas capazes de deixar qualquer público admirado diante da pureza do som. Reconhecido internacionalmente e pouco conhecido pelo povo de sua própria terra, Mestre Nado hoje repassa sua técnica a crianças e jovens da comunidade de Caixa d´Água, em Olinda, através de um programa educativo que oferece perspectivas de construção de um futuro melhor. Com recursos do Fundo de Incentivo à Cultura do Governo do Estado, o Centro Cultural Som do Barro possibilita a profissionalização através da arte da música e da modelagem do barro. A comunidade beneficiada fica próxima ao Rio Beberibe e concentra famílias de baixa renda. Tem baixos índices de infraestrutura, como áreas verdes e de lazer, mas dispõe do belo trabalho de Mestre Nado que, sem qualquer vestígio de egoísmo, repassa suas técnicas musicais a futuras gerações de artistas. Espetáculo à parte foi dado por Sara, filha de Nado, que herdou a sensibilidade musical e o domínio técnico do pai e mestre. A aparência do instrumento deixa dúvida se aquilo é mesmo capaz de produzir alguma nota musical. Nas ágeis e finas mãos de Sara, o quase "monstrengo" (rissss) emociona o ouvinte.

quarta-feira, 4 de novembro de 2009

MESTRE NADO

APS vai ouvir o som do barro

O passeio do APS no próximo domingo, dia 08 de novembro, tem um quê de especial - conhecer o homem que utiliza o barro para fazer instrumentos de percussão e sopro. O homem se chama Aguinaldo da Silva, mais conhecido como Mestre Nado (foto ao lado). Ceramista e músico autodidata, nasceu em Olinda, onde começou a dar forma ao barro, dele produzindo notas musicais. Da sua arte, hoje nacionalmente reconhecida, costuma dizer que ela é inspirada na natureza, com formato de peixe, tartaruga, pássaros. Na sua oficina Centro Cultural Som do Barro, localizada no bairro olindense de Caixa D`Água, Mestre Nado repassa seus conhecimentos a crianças e jovens que aprendem a modelar as características específicas de cada instrumento. Com isso, pretende incentivar os alunos a compreender a diversidade cultural de Pernambuco.

A vida artística de Mestre Nado iniciou por acaso. Ainda criança, gostava de moldar o barro fazendo pequenas bolinhas ocas. Um dia percebeu que, ao furar as bolinhas, poderia produzir som, resgatando um antigo instrumento feito de uma fruta africana. Daí, começou a pesquisar o assunto, criando novos instrumentos a partir do barro.
Assim, surgiram as sete versões da Flauta Nado, os Maracas, Raco-Racos, Bum D´Água e as famosas ocarinas, cujo nome significa Caixa de Som. Neste domingo, Mestre Nado vai fazer uma demonstração de seus dotes musicais, acompanhado de seus filhos Micael e Sara, repetindo o espetáculo que tanto maravilhou ciclistas do APS, há cerca de dois anos. Algumas das peças estarão expostas e à venda a partir de dois reais.

Entre idas e vindas, você vai ter um percurso em torno de 25km. A saída é do Parque da Jaqueira, às 8h, com estimativa de volta ao meio-dia. O passeio é totalmente urbano, embora com ruas pavimentadas paralelas a Mata Atlântica. Subidas e descidas, muitas, mas nada que não se possa vencer. Para os novatos no APS, o local de concentração é pela entrada da Rua do Futuro, próxima às barracas de frutas. No slideshow, veja fotos de Mestre Nado e de alguns trechos do roteiro.

domingo, 25 de outubro de 2009

ÁGUA PRA QUE TE QUERO?

São Lourenço do sobe e desce

Sombra e água fresca nunca foram itens tão requisitados como no passeio desse domingo 25 de outubro. Também, com tanta ladeira pra subir sob aquele sol de fritar ovo em careca, a saída foi sonhar com chuv
eirão, mergulho em piscina ou abrir a garrafinha pet e jogar toda a água sobre a cabeça escaldante. Ufa, que alívio. A primeira ladeira botou pra quebrar. De nome engraçado, Ladeira de Geraldo Doido (foto ao lado), foi coisa pra louco mesmo. Literalmente, ninguem subiu na bike. Foi todo mundo empurrando. Quando se pensou que a dificuldade havia sido vencida, apareceram outras e outras subidas de tirar o fôlego de muito ciclista experiente e pernas musculosas. Havia novatos no passeio, inclusive de outros grupos que foram conhecer o jeito apessiano de ser. Descontração era lei. Um engraçadinho resolveu perguntar "por que passeio cicístico se "tá" mundo a pé"? Eéééééé, tem lógica. O trajeto pavimentado facilitou o uso de quaquer tipo de bike, mas limitou para quem não tinha condicionamento físico. Talvez por isso apenas 58 ciclistas tenham dado presença. Alguns momentos engraçados foram na Ponte Sandrinha Travou. A ponte fica na Vila da Fábrica, em Camaragibe, alta em relação ao leito do rio, estreita só para pedestre e com uma mureta tão baixa que dá a sensação de insegurança. Claro que o nome da ponte não é esse, mas foi bem no meio que Sandrinha travou, parou, ficou, estagnou, num dos primeiros passeios que fez com o APS, num ia pra frente nem pra trás. Rebocada, só assim liberou a passsagem (rssssss). Pois num é que essa primeira experiência foi insuficiente! Sandrinha travou de novo e foi alvo da brincadeia dos amigos.

Milton também rendeu uma cena hilária quando resolveu cortar a "vasta" cabeleira no Salão de Beleza Adriana. Ali mesmo na calçada, durante uma parada pra descanso. Os boatos dão conta de que Milton estava mesmo cansado e não queria admitir (rissssssss). Besteira, "né" Milton! O grupo estava coeso, junto, e apesar do sobe e desce tudo fluía naturalmente. As fotos testemunham a alegria dos ciclistas. Era cada sorrisão, um maior do que o outro.


O único problema ac
onteceu na volta. Se a Ladeira Geraldo Doido foi difícil de subir, a descida na Avenida Luiz Gonzaga (foto ao lado), que liga Aldeia a São Lourenço, levou dois ciclistas ao chão - Lourdinha e Gil. A queda de Lourdinha não deixou consequência. Ela admite que foi imprudente e até pede que o fato sirva de exemplo pra nenhum ciclista soltar o freio numa estrada como aquela. Agora, Gil...bem foi diferente - quando se levantou da queda, cheio de mato na roupa, parte do mulheril apessiano foi conferir se ele estava bem (rissssssss). Eu, hein! Veja o resultado nas fotos feitas na casa de Tomaz, após o passeio.

Apesar das ladeiras e quedas, nem tudo foi difculdade. O passeio recebeu nota 10; a paisagem era linda; novatos e veteranos mostrando contentamento; ciclistas bem humorados; 52km entre Jaqueira, Guabiraba, Sítio dos Macacos, Aldeia, São Lourenço da Mata, Camaragibe, Sítio dos Pintos (Recife) e ponto final. Ufa!

quinta-feira, 22 de outubro de 2009

LADEIRAS

Prepare "as canelas" pro domingo

O percurso não chega a 50km, mas o esforço nas muuuuuuuitas ladeiras causa impressão dobrada. A principal é a Ladeira Geraldo Doido, que só tem 400 metros mas é bastante íngreme. Sem pavimentação, embora de piso firme, a compensação é a paisagem entre sítios, chácaras e condomínios. O passeio é compatível a qualquer tipo de bike, mas desaconselhado a quem não tem condicionamento físico. Aldeia, São Lourenço da Mata (quase fronteira com Tiúma) e Camaragibe estão no trajeto que prevê passagem por movimentados centros urbanos. Domingo é dia de feira e comércio aberto nas vizinhanças do Grande Recife. Mantenha-se atento e dê vez ao pedestre. O cuidado deve ser redobrado nas estradas estreitas com direito a trânsito de veículos. A maior parte do percurso é pavimentada, mas é bom saber que aquela ponte apelidada de "Sandrinha Travou" (rissssssss) está à espera do grupo, na volta. A ponte é alta, estreita e as laterais são baixas.

Ciclista responsável já sabe, mas é sempre bom lembrar principalmente pra chamar a atenção dos menos avisados - capacete e luvas, sempre. Não esqueça a câmara de ar compatível com sua bike. Se tiver, leve ferramentas. Seja solidário, ouça e siga a orientação do guia e do apoio. Não fique atrás da vassoura, ela está ali pra manter o grupo reunido. Você que gosta de pedalar em calçada, lembre-se - calçada é lugar de pedestre. Se você pefere ouvir música enquanto pedala, cuidado com os fones de ouvido. Eles atrapalham a concentração e diminuem a audição. Os cuidados podem não evitar acidentes, mas com certeza minimizam as possibilidades e até as consequências. Próximo domingo, dia 25, concentração no mesmo local da Jaqueira, entrada próxima à barraca de frutas. Saída às 7h. SETE HORAS, GENTE!

domingo, 18 de outubro de 2009

APS x AERONÁUTICA x UPE

Um domingo de muitas comemorações

Realizado pelo II Comando Aéreo em parceria com a Universidade de Pernambuco, o 1º Passeio Ciclístico da Semana da Asa contou com 275 participantes, entre crianças e adultos. Pedalando pelas Avenidas Boa Viagem e Domingos Ferreira, com parada de descanso no II Jardim da orla, o evento comemorou também a Semana de Combate ao Câncer de Boca, promovida há cinco anos pela UPE. O passeio foi organizado pelo grupo de ciclismo cultural Amigos para Sempre - APS - com apoio do Bike Amigos de Olinda, Corujaqueira, Venture Bikers e Tropa de Elite.

Um quilo de alimento não perecível, exceto sal, foi a senha para receber um kit composto de camisa e garrafinha, com direito a concorrer a sorteios, inclusive de quatro bicicletas. Os donativos arrecadados foram destinados a instituições de caridade. O evento começou pouco depois das 9h, não sem antes do público fazer um rápido lanche e receber as diretrizes da coordenação do APS de como conduzir a bike em meio ao trânsito. Afinal, muitos eram ciclistas de primeira viagem ou, apropriadamente dizendo "de primeiro voo", sobretudo as crianças, em número considerável. Apesar da descontração nos 12km de percurso, a família aeronauta mostrou disciplina e sempre atenta à orientação do apoio ciclístico, atitude que mereceu destaque.


Com reforço do Bptran e CTTU, além de caminhão, ônibus e ambulância, a parceria entre o Comando Aéreo e a UPE também se fez notar no carro de som que, durante o trajeto, divulgava a Semana da Asa e tocava animado jingle sobre o combate ao câncer de boca. A programação da Semana da Asa tem como marco o Dia do Aviador (23 de outubro) e a Semana de Combate ao Câncer de Boca (de 18 a 25) preparou palestras educativas sobre fatores de risco, ações preventivas como o autoexame e o diagnóstio precoce, atitudes necessárias à redução do índice de mortalidade provocada pela doença.

Concluído o passeio no tempo previsto, os ciclistas foram recebidos pela banda de música da Aeronáutica, ao som do Tema da Vitória, música de Eduardo Souto, que marcou a carreira de Ayrton Senna. O pátio da vila transformou-se numa imensa concentração. Saboreando frutas como banana, laranja, abacaxi e melancia, o público demonstrava ansiedade pelo sorteio. Calma, gente, já vai começar! Apesar dos MP3 fazerem parte do contexto, os olhares estavam mesmo todos voltados às quatro bicicletas - duas masculinas e duas femininas. Ali, inteiras, novinhas, caíram na sorte dos militares. Eu mesma queria. E "tu"? Fica pra próxima (rissss).

Para o APS e os ciclistas que colaboraram, o passeio não teve apenas 12km. O total foi de 45, isso porque o pessoal saiu do Parque da Jaqueira e lá estava de volta, às 13h.
O APS agradece e parabeniza a todos que estiveram juntos na manhã do domingo 18 de outubro - realizadores, patrocinadores, apoiadores e público - abrilhantando as Semanas da Asa e do Combate ao Câncer de Boca. A parceria deixou a certeza da dedicação na medida exata.

quarta-feira, 14 de outubro de 2009

CICLISTAS E AVIADORES

Passeio ciclístico inicia Semana da Asa

Este é um mês de festa para a Força Aérea Brasileira. É a época em que se comemora a Semana da Asa e o Dia do Aviador, 23 de outubro, quando se homenageia uma das mais importantes figuras da história da aviação - Alberto Santos Dumont. Além das tradicionais atividades anualmente realizadas, o II Comando Aéreo, localizado no Recife, inclui a novidade de um passeio ciclístico, neste próximo domingo, dia 18. O APS dá sua presença no evento com apoio de outros grupos ciclísticos, como Corujaqueira, Maré e Tropa de Elite. Os ciclistas devem se concentrar às 7h no Parque da Jaqueira, de onde saem impreterivelmente às 7h30, com destino ao comando aéreo. Lá, com tempo para um rápido lanche e hidratação, inicia o percurso de 12km, às 9h, por Boa Viagem, junto com o público da vila aeronáutica. O retorno, previsto para as 11h, reserva uma mesa de frutas para os participantes, além de sorteio de brindes e quatro bicicletas. Quatro? Uau!

Bom, mas para ter direito ao sorteio é preciso se inscrever com a doação de um quilo de alimento não perecível, exceto sal. Os 500 primeiros inscritos também ganham um kit com camisa e garrafinha aluvisas ao evento. As inscrições podem ser feitas na Av. Armindo Moura, 581, Boa Viagem, limite com Piedade, até sábado. Há ainda a alternativa de se inscrever com Márcia Cunha, coordenadora do APS, domingo, na Jaqueira, inclusive os que vão trabalhar como apoio. Por isso, chegue antes da hora porque as inscrições se encerram às 7h20, para não atrasar a programação. Os donativos fazem parte dos trabalhos de ação social da Aeronáutica e devem ser entregues a entidades assistenciais. Durante o passeio, o público recebe o suporte do Bptran e da CTTU, além de dispor de carro de apoio, caminhão, ambulância e ônibus.

As festividades do II Comar coincidem com a Semana Nacional de Prevenção do Câncer Bucal, que vai de 18 a 25 de outubro. E é neste contexto que a Universidade de Pernambuco - UPE - também participa do evento de domingo, através do Conselho Regional de Odontologia e do Conselho de Medicina de Pernambuco, com três postos de orientação de combate ao câncer de boca. As unidades vão ser instaladas no Parque da Jaqueira, no II Jardim de Boa Viagem e na Vila Aeronáutica. Odontólogos, médicos e estagiários de áreas relativas a "Cabeça e Pescoço" vão orientar como se deve fazer o autoexame. É uma boa oportunidade para a sociedade aprender a se cuidar mais e melhor.

Atenção, ciclistas: concentração no Parque da Jaqueira, às 7h; inscrições até 7h20 (com Márcia); saída às 7h30. Previsão de chegada à Aeronáutica, 8h30; saída do passeio ciclístico da Aeronáutica, 9h; previsão de chegada do passeio, 11h; previsão de retorno dos grupos ciclísticos à Jaqueira, após as 12h30. Bom passeio e boa sorte. Quem sabe você é um dos felizardos da bike novinha em folha?

domingo, 4 de outubro de 2009

APS ANO 5

APS comemora aniversário


"Num" é Roberto Carlos não, viu, mas são tantas emoções...que a editora do blog está sem palavras. Primeiro foi o passeio relembrando ruas, bairros, pessoas, amigos que se foram, amigos que voltaram, amigos que se fizeram novos. Recife Antigo, complexo de prédios históricos, locais turísticos, turistas passando. O encontro com a experiência adquirida ao longo do tempo e as idéias que vão surgindo na mente e no coração só pra agradar você. A satisfação e a alegria ao constatar o retorno de proporcionar um domingo de lazer e prazer. Com você. São cinco anos crescendo sem deixar de ser criança. Como é bom ver o seu sorriso, receber o seu abraço. E você ainda agradece? Quem agradece é o APS (rimou, hein?). Agradece sua participação, imprescindível à existência do Amigos para Sempre. Se não fosse você, nunca seríamos um grupo. Já pensou na sua importância e responsabilidade diante do que o APS é hoje? Tudo isso teve um começo pequeno que cresceu, solidificou. E hoje comemoramos cinco anos. Pedalando, brincando, rindo, descontraindo. A semana é tão dura, tanto trabalho, quanta rotina. E o domingo, eita saudade quando a gente não se vê. Esteja certo de uma coisa - tudo é temperado com carinho. Na falta de palavras, por que não as fotos? Uma imagem vale por mil palavras. Ao slideshow.

quarta-feira, 30 de setembro de 2009

O ENCANTO DO RECIFE

Passeio de aniversário homenageia a capital

Mais que avisado, o próximo domingo é dia de festa, quando o APS comemora cinco anos de atividade no Grande Recife. "Taí" uma data para homenagear a mais antiga capital brasileira. A pedalada começa às 8h, do Parque da Jaqueira, e tem endereço certo - o Bairro do Recife, fundado no século XVI e de onde surgiram os primeiros núcleos urbanos. Dono de uma arquitetura sem igual, faz a alegria dos poetas e encanta a todos que avistam o mar e o encontro dos rios Capibaribe e Beberibe, no istmo que dá acesso a Olinda. Passear pelo Recife no dia da comemoração de aniversário do APS é reviver todos os outros passeios pelas pontes, pelas igrejas, pelas praças, pelos museus, pelas ruas e bairros. O Marco Zero-Quilômetro, o Porto do Recife, o Arsenal da Marinha, a Torre Malakoff, a Cruz do Patrão, o Forte do Brum e a Ponte do Limoeiro fazem parte desse jogo de recordações. Todos eles têm história. Algumas mais recentes, como o painel do artista plástico Cícero Dias, no piso do Marco Zero, em forma de rosa dos ventos. Outras, mais antigas, como a do Porto do Recife que escoava toda atividade agro-açucareira da cidade.

Ainda outras, verdadeiras guardiãs da memória bélica, como o Forte do Bom Jesus ou Forte do Brum. Construído pelos portugueses, a partir das ruínas de uma trincheira, era ponto de segurança e proteção ao porto e ao povo recifense. Cercada por rios e cortada por pontes, a cidade é um privilégio em matéria de beleza. Basta conferir e enxergar. É possível descobrir a Praça Voluntários da Pátria (foto acima à esquerda, veja crédito no fim da matéria), que depois da revitalização do Recife Antigo passou a ser chamada de Arsenal da Marinha e, mais recentemente, Praça Arthur Oscar, numa homenagem ao almirante Tamandaré, Patrono da Marinha Brasileira. Repare que ali, naquela praça que hoje é ponto de festejos e diversão, existe um dos prédios mais bonitos da cidade e de onde você tem, do alto, todo o Recife à sua vista. É a Torre Malakoff, cuja denominação faz referência a uma das pontes da Rússia. Mas o Recife também tem histórias assombrosas e uma delas refere-se à Cruz do Patrão que, se as autoridades quiserem, um dia pode se transformar num dos melhores atrativos turísticos da capital. Pra concluir o roteiro de aniversário, a passagem pela Ponte do Limoeiro, que liga o bairro de Santo Antônio ao de Santo Amaro. Uma curiosidade: construída na década de 70, é a ponte mais "nova" que o Recife tem.


O passeio será leve e curto. A previsão é retornar à Jaqueira antes das 11h. De lá, o grupo segue direto ao Portal. Esteja com a camisa APS 2009. Ela é garantia de seu direito às surpresas, brindes, sorteios e promoções. Parabéns. (A bela foto da Praça do Arsenal da Marinha é do fotógrafo gaúcho Omar Júnior).

domingo, 27 de setembro de 2009

LAGOA EM JABOATÃO

Ciclistas se aventuram
na Lagoa do Náutico


O APS levou oitenta e cinco cilistas à Lagoa do Náutico, em Jaboatão, nesse domingo 27 de setembro. Com saída impreterível às 7h, do Parque da Jaqueira, o grupo passou pelos bairros das Graças, Torre, Madalena, Prado, Afogados, Imbiribeira, Prazeres e Jardim Piedade, esses dois últimos já na cidade vizinha. A quase ausência de dificuldades, apenas uma queda e uma quebra sem maiores consequência e demora, permitiu um ritmo ágil e constante. Imprevistos operacionais, no entanto, levaram o APS a não cumprir uma das três etapas programadas - subir o mirante e, do alto, contemplar toda a beleza da Lagoa Olho D`Água.

Mais conhecido como Lagoa do Náutico, o local funcionou, há décadas, com
o sede campestre e de pesca do clube alvirrubro. Cortar o mirante significou uma diminuição de cinco quilômetros no percurso previamente elaborado. As outras duas etapas - a passagem pela pequena ponte em tubos de concreto e a travessia da estreita e rasa faixa de água - foram cumpridas sem problemas. Aliás, na hora de literalmente colocar os pés na água, os ciclistas recebram ajuda dos moradores da área, que improvisaram uma pinguela, mais que bem vinda pelo grupo. De lá, a saída pela comunidade Dom Hélder Câmara, seguindo pela faixa litorânea de Piedade, onde se fez a parada pra descanso. Chuveirão, água de coco, água mineral, refri, rapadura, cachorro quente e outras coisitas fizeram a festa do pessoal.

O sol estava um
caso sério, principalmente na volta, hora do que se chama sol a pino, aquele que torra miolos e frita ovos. Para retornar ao Parque da Jaqueira, o grupo ainda enfrentou o asfalto de Boa Viagem, os viadutos de Joana Bezerra e o trânsito da Agamenon Magalhães. Mesmo assim, chegou antes do horário previsto. Veja parte das fotos no slideshow. Se quiser ampliar, é só clicar em alguma delas. Outras serão colocadas durante a semana.

quarta-feira, 23 de setembro de 2009

PASSEIO LONGO DOMINGO

APS vai à Lagoa do Náutico

Os 55km de percurso da Jaqueira à Lagoa do Náutico prometem uma mistura de frustração, encantamento e esperança. A primeira sensação pode ser decorrente da falta de iniciativa das autoridades em investir no potencial e urbanizar a área. A segunda - de encantamento - vem do que a natureza oferece aos olhos. A terceira está ligada ao fato de que o Governo do Estado promete revitalizar o local. O projeto, em três etapas, prevê um conjunto habitacional para benefício de 1.300 famílias, a instalação de equipamentos de lazer com projeto paisagístico e, finalmente, o último e mais difícil estágio: a despoluição e restauração da fauna e da flora da maior lagoa urbana do Brasil. Há uma luz no fim do túnel, mas só as duas primeiras etapas têm recursos garantidos. A terceira ainda está de fora e a vida na Lagoa do Náutico continua com seus oito canais de esgoto obstruídos por lixo e lama. Enquanto as providências não chegam, a população vai tocando o dia-a-dia, ela mesma suprindo a infraes
trutura inexistente. A Lagoa Olho D`Água, mais conhecida pelo antigo nome de Lagoa do Náutico, fica em Jaboatão dos Guararapes. Duas vezes maior do que a Rodrigo de Freitas, no Rio de Janeiro, é também a única de formação de restinga no Nordeste. Seu espelho d`água tem quase 400 hectares totalmente poluídos, embora seja área de proteção ambiental.

Esse é o lugar que o APS vai visitar domingo. O passeio é longo e sai às 7h. O terreno é
irregular com barro, lama, água, buracos e vegetação rasteira. Animais, como cavalos e bodes, podem ser companhia em alguns trechos. Os cavalos são magros e refletem a difícil vida local. Os bodes são dóceis e parecem dormir uma boa parte do tempo. A população é simpática e demonstra receptividade. A pedalada reserva três momentos especiais - a travessia por uma curta ponte de tubos de concreto; a passagem por uma rasa faixa de água (primeira foto), de onde se tem a visão baixa da lagoa; e a subida ao chamado mirante, em estrutura de ferro. Lá de cima, a visão geral da comunidade e de todo o espelho d`água. Pra subir o primeiro degrau, peça licença aos bodes. Eles adoram descansar sob a sombra dos andares do elevado.

Tome os cuidados necessários, sempre relembrados pela coordenação do APS. No mínimo, capacete, luvas, câmara de ar sobressalente. Use protetor solar, leve líquido. O local tem ponto de apoio. Passeio desconselhado a pessoas sem condicionamento físico e crianças desacompanhadas por um responsável.

domingo, 20 de setembro de 2009

MEGAEVENTO NO RECIFE

Pedalada reuniu cerca
de sete mil ciclistas


Oito toneladas de alimentos arrecadadas, cerca de sete mil ciclistas, todos os 4 mil kits com camisa e roteiro repassados ao grande público inscrito no III Terceiro Passeio Ciclístico Globo Nordeste. Esses são os números do megaevento, realizado nesse domingo 20 de setembro, numa parceria da rede de televisão com a Polícia Militar de Pernambuco e o 1º Batalhão de Trânsito. Na ocasião, o BpTran comemorava seus 17 anos de atuação no Estado. Com apoio do Corujaqueira e participação dos grupos ciclísticos convidados APS, Ex-Preguiça, Maré e Tropa de Elite, o passeio percorreu cerca de 12 quilômetros. Por entre pontos culturais e turísticos da cidade, estimativas dão conta de mais de dois quilômetros de gente pedalando. Bonito ver a organização e o empenho de todos para que o público tivesse um domingo a relembrar com saudade, pedindo pra que o próximo chegue logo. Famílias inteiras, crianças e adultos atrás da frevioca e do Palhaço Chocolate, protegidos pelo paredão e fluxo de ciclistas de amarelo e ciclopatrulha da Polícia Militar. Câmara de Vereadores, Faculdade de Direito do Recife, Assembléia Legislativa, Prefeitura, Paço Alfândega, Palácio da Justiça e Teatro Santo Isabel foram alguns dos locais por onde a massa ciclística passou. A parada de descanso foi em frente ao Palácio do Governo, denominado de Campo das Princesas, na Praça da República. Ali, houve exibição da turma do Fon-Fon, banho de neblina e até massagem para os mais cansados. O grande atrativo, no entanto, pareceu ficar com a demonstração do teste no bafômetro. Como tudo aquilo era uma brincadeira, uma maneira lúdica de demonstrar como o polêmico etilômetro funciona, os ciclistas fizeram fila e, sem medo, se submeteram ao exame. Se fosse verdade, muitos teriam passado; outros, nem tanto, estariam no pau ou não teriam produzido prova contra si (risssss). O que fica do passeio é a lição de solidariedade, cidadania, respeito. Fica também a certeza de que, um dia, motoristas, ciclistas, motociclistas e pedestres poderão compartilhar as mesmas ruas e vivenciar a política da boa vizinhança, através da educação no trânsito. Até o próximo ano.
As fotos no slideshow do APS são de Pastik, um dos fotógrafos designados pra cobrir o evento. Outras fotos no Corujaqueira, Tropa de Elite e Fotos de Tomaz. Clicar nos links abaixo, na faixa verde.

quinta-feira, 17 de setembro de 2009

PASSEIO CICLÍSTICO GLOBO NORDESTE

Neste próximo domingo, 20 de setembro, o APS participa do terceiro Passeio Ciclístico Globo Nordeste. Numa parceria da rede de televisão com a Polícia Militar de Pernambuco e o 1º Batalhão de Trânsito, o evento comemora também os 17 anos de atuação do 1º BpTran no Estado. O APS se concentra na Jaqueira, de onde sai às 8h, dirigindo-se ao Quartel do Derbi, ponto de encontro com outros grupos ciclísticos convidados (ver imagem ao lado) e público em geral. Para receber a camisa oficial do passeio faça antes sua inscrição nas farmácias Bompreço do Hiper de Casa Forte e Boa Viagem, das 10h às 22h, doando dois quilos de alimento não perecível, exceto sal. Inscreva-se também, no Quartel do Derbi, das 8h às 17h30. Ao se inscrever, você recebe o kit composto de camisa, roteiro e número de identificação do ciclista. As doações serão encaminhadas a instituições assistenciais do Recife. Organizada pelo Corujaqueira, a pedalada prevê passagem por pontos históricos e turísticos da cidade. O local de descanso é a Praça da República, onde se situam os palácios do Governo e da Justiça, e de onde se volta para o Quartel da PM. Patrocinado pelas Farmácias BomPreço, Empetur, Secretaria de Turismo, Governo do Estado, Iquine e Invicto, o evento deve reunir milhares de pessoas pelas ruas da cidade, numa alegria só, como acontece há três anos. Inscreva-se. Participe. Até domingo. Foto da Globo

segunda-feira, 14 de setembro de 2009

VALE DAS PEDREIRAS VALEU O ESFORÇO

Subidas e descidas fizeram o domingo APS

Parece até que foi uma homenagem a Geyse, em "O Retorno", depois de um longo tempo sem pedalar no APS. A Márcia II também, que tirou licença sem autorização dos coordena
dores (rissss). Deve ter sido só um treino pra esquentar. As subidas e descidas ao Vale das Pedreiras deixaram o ciclista literalmente suando, embora o tempo nem estivesse tão quente assim. Mas, claro, subidas e descidas também provocam descontração e o ciclista está de parabéns pelos cuidados que tomou em todos os momentos. Apesar das quebras e quedas, tudo resolvido sem maiores demoras ou consequências, o APS manteve um rítmo constante e regular para contentamento geral. O Vale das Pedreiras é um bairro de Camaragibe. Tem esse nome porque foi pedreira, um dia. Hoje, desativada, com a chegada de moradores e a formação do bairro, mantém o nome, aliás, uma denominação bem poética. O APS visitou o local no ano passado. Na ocasião, época de muita chuva, a estrada de barro estava em péssimas condições e as ribanceiras que davam para o vale eram de arrepiar cabelos. Desta vez, a situação estava bem diferente. A estrada asfaltada e o vale plantado, totalmente verde, ofereceram uma visão única. À esquerda, de presente, o Recife completava a paisagem. O passeio "25 com cara de cinquenta", na verdade, teve 27km e 76 ciclistas.
Os sítios dos Macacos (na ida) e dos Pintos (na volta) fizeram parte do percurso, com seus resquícios de Mata Atlântica e muita lama. Embora a parada programada fosse no terminal de ônibus do Vale das Pedreiras, o ciclista teve dois prazerosos momentos fora do roteiro - a foto (acima) oficial na antiga e desativada estação de trem dos Macacos e as rodadas de caldo de cana no estreito caminho que dá acesso ao vale. A fila foi grande e a quantidade de cana foi insuficiente pra dar conta do recado. Aniversário de Almir, o amigo recebeu abraços durante os "Parabéns" entoados na praça do terminal de ônibus. Uma curiosidade foi a presença de um garoto de seus 14 anos, mais ou menos, chamado Richard. Encontrou o APS em Nova Descoberta e lá foi ele, acompanhando o grupo durante todo o trajeto. Com uma bike simples e usando apenas boné e sandálias havaianas, Richard pedalava feliz. No rol dos novatos, o APS computou a presença do PapaTrilha e não entendeu porque Alexandre Maré só levou um dos trigêmeos. Devia ter levado os três (rissssssss). Descontração total e irreverência na volta quando Gêmeo (sei lá qual deles) e Gilson (abaixo) se fantasiaram de bolas de festa (risssss). Veja as fotos e confira.

quinta-feira, 10 de setembro de 2009

VALE DAS PEDREIRAS

Vinte e cinco com cara de cinquenta

Calma, o título não se refere a ninguém, mas ao percurso que o APS faz domingo próximo, dia 13 de setembro. O resultado da multiplicação fica por conta das muitas subidas e descidas. Subidas íngremes e descidas acentuadas, daquelas que nem lagartixa desce solta, como diria nosso amigo Eduardo Assunção. Pois é, o Vale das Pedreiras é o caminho da vez. Bairro de Camaragibe, o percurso prevê paisagem urbana e rural. Centro comercial com bastante movimento aos domingos e trânsito congestionado, BR, áreas sem pavimentação e sem sinal para celular são algumas das dificuldades a enfrentar e a mostrar que o ciclista APS é responsável na condução de sua bike e em relação aos outros. E, sendo ele responsável, a atitude cidadã será a mesma nas áreas onde a beleza da mata e o aconchego do verde se sobrepõem ao resto. No trajeto, uma desativada estação de trem, tão esquecida que é provável passar despercebida pelo olhar do ciclista. Sua construção data de 1881, depois uma nova etapa em 1908, interligando bairros e municípios a partir da Estação do Brum, no Recife. Em 1949 desceu de posição a passou a ser apenas um ponto de parada até, gradativamente, sair do mapa e cair no esquecimento. O lado esquerdo da estrada que dá acesso ao vale, onde antigamente funcionou uma pedreira, oferece uma visão panorâmica do Recife.

Se pedalar requer cuidados, redobre sua atenção nas descidas, principalmente na do Vale das Pedreiras, onde o apoio ficará estrategicamente posicionado. Atenda a orientação do guia e, jamais, fique atrás do guia-vassoura. Revise sua bike, teste freios e marchas. Use capacete e luvas. Leve câmara de ar sobressalente compatível com a sua bicicleta. A parada programada está prevista para ocorrer nos primeiros 15km percorridos. Leve líquido suficiente e, ao lanchar, recolha seu próprio lixo. Lembre-se do sol que está chegando com a carga toda e use protetor solar. Selecionado pela coordenação, o apoio é aquele que usa camisa 2009 e cinta refletiva. Por necessidade, só o apoio pode passar à frente do guia ou acompanhar a vassoura. É importante lembrar que não é recomendável fazer ziguezague no trânsito, buzinar sem necessidade principalmente onde se localizam hospitais e clínicas de saúde. A pedalada ao Vale das Pedreiras marca o retorno do APS após o feriadão de 7 de Setembro. Bom passeio, faça valer por dois, afinal, 25 tem cara de cinquenta.
Concentração no Parque da Jaqueira a partir do portão próximo às barracas de frutas, saída às 8h em ponto.