quinta-feira, 1 de julho de 2010

MARIA AMAZONAS

Sabe aquele casarão?

Sabe aquele casarão bem bonito, no alto da colina que dá acesso à Camaragibe? Lindo, "né"? Mais lindo, ainda, se visto de perto, como o APS vai fazer no próximo domingo, dia 4 de julho. O imóvel, Casa Grande do Engenho Camarás, tem história comprida, iniciada em 1549, como um dos mais prósperos da cidade. Pertenceu a Branca Dias (aquela da Lagoa do Prata), foi incendiado, reconstruído, serviu de fábrica têxtil e, hoje, pertence à família Amazonas. Conhecido como "casa de Maria Amazonas" é tombado pelo Institudo do Patrimônio Artístico e Histórico de Pernambuco e considerado um dos mais bonitos e importantes pontos turísticos da cidade. Está situado ao lado do Parque Camaragibe. A casa original sofreu mudanças ao longo do tempo e, hoje, de arquitetura eclética, perdeu algumas de suas antigas características. Guarda, no entanto, além de sua beleza, o oratório interno dedicado a São Tiago e uma vila de casas que foi construída numa de suas reformas. O APS obteve permissão para visitar a área externa, mas não vai entrar na mansão. O pátio, por si só, vale a pena ser visto, pelas suas frondosas árvores e plantas.

A pedalada de domingo é mista, entre terreno urbano e rural. Passa por asfalto e sítios e, dependendo das condições do dia, pode lembrar aquele antigo passeio "Peixe ou porco". Quem se lembra? Foi um do melhores que o APS já fez. Este deve ser ainda melhor porque vai unir "Peixe ou porco" com outro antigo passeio que o APS denominou "A ponte do rio que cai". Pra quem ainda não sacou, a ponte é em Camaragibe e também ficou conhecida como "A ponte em que Sandrinha travou". Sandrinha, cadê você, oh, mulher (rissssss)? Ouça e atenda sempre à orientação do guia. A casa de Maria Amazonas é habitada (nada de algazarra, gente) e a ponte tem lá suas dificuldades de ultrapassagem: é alta, estreita e mureta baixa. Todo cuidado é pouco. Tem parada programada no bar de "seu"..."seu"..."seu"... esqueci o nome do homem. Mas, olhe, gente, imagine que ele queria que o APS ficasse por lá até bem tarde, porque "o bar só tem música ao vivo depois das 13h". Bom, quem gostar volta depois. A previsão do APS é retornar à Jaqueira às 11h30. A saída é às 8h e o passeio tem 30 quilômetros.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário